Primeira edição do Biff coloca Brasília no circuito dos grandes festivais internacionais

11 . julho . 2012

Na estrada, novo filme de Walter Salles, abre oficialmente o Festival no dia 12 de julho (com presença da atriz Alice Braga)

Durante dez dias, Brasília vai receber alguns dos mais comentados filmes do circuito cinematográfico internacional. O BIFF - FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA DE BRASÍLIA - BRASILIA INTERNATIONAL FILM FESTIVAL realiza sua primeira edição, entre 13 e 22 de julho, oferecendo Mostra Competitiva com 12 títulos e importantes mostras paralelas que vão atualizar Brasília no que se faz de mais recente no universo do cinema mundial. A cidade irá acolher diretores de países como Macedônia, Albânia, Chile, EUA, Colômbia e Inglaterra, e ainda contar com a presença cheia de charme da atriz e cantora Anna Karina, a mais emblemática do cinema francês da década de 1960, protagonista de diversos filmes da Nouvelle Vague, que fará o show de abertura na Sala Villa-Lobos do Teatro Nacional.

Logo após a apresentação de Anna Karina, o público poderá assistir à mais nova produção do cineasta brasileiro Walter Salles, Na Estrada, exibido recentemente no Festival de Cannes. O longa é baseado no grande obra literária beatnik de Jack Kerouac e protagonizado por estrelas como Sam Riley, Garrett Hedlund, Kristen Stewart, Kirsten Dunst e Viggo Mortensen, com participação da brasileira Alice Braga, que estará presente à sessão brasiliense.

O I BIFF irá acontecer no Teatro Nacional Cláudio Santoro - Salas Villa-Lobos e Alberto Nepomuceno - e nas quatro salas do circuito Cine Cultura Liberty Mall. Terá Mostra Competitiva, com prêmios de US$ 10 mil por categoria, a Retrospectiva Anna Karina (com a exibição de seis títulos protagonizados pela musa de diretores como Jean-Luc Godard) e mostras como Cara Latina, Panorama África, Mundo Animado,  Independente Americano e Panorama Europa, que exibirão produções inéditas no circuito comercial brasileiro.

CARA LATINA será especialmente dedicada à produção de mulheres, dando relevo à presença feminina na política dos países da América Latina. PANORAMA ÁFRICA tem o objetivo de aumentar o contato com a produção audiovisual do continente africano. PANORAMA EUROPA oferece oportunidade de entrada do novo cinema europeu no mercado cinematográfico brasileiro. E INDEPENDENTE AMERICANO pretende dar visibilidade a realizadores que têm renovado a linguagem, com uma grande diversidade de expressão audiovisual. As mostras serão acompanhadas de debates importantes, como o que trará a Brasília o norte-americano Andrew Houchens, coordenador de projetos especiais da IFP - Independent Filmmaker Project, notável fundação de apoio à realização de filmes independentes nos Estados Unidos. A programação ainda terá palestras e encontros com realizadores.

BIFF - BRASILIA INTERNATIONAL FILM FESTIVAL tem direção geral de Nilson Rodrigues e direção de programação de Anna Karina de Carvalho.


FILMES DA MOSTRA COMPETITIVA

UNA NOCHE
USA/CUBA/INGLATERRA, 2012, 90 min
Direção: Lucy Mulloy
Com: Dariel Arrechaga, Anailín de la Rúa de la Torre, Javier Núñez Florián
O drama de três jovens cubanos. Os adolescentes Raul e Elio sonham com a ideia de fugir de Cuba e começar vida nova em Miami. Quando Raul é acusado de agredir um estrangeiro, ele não tem escolha a não ser escapar e seu amigo Elio terá que decidir se seu desejo de liberdade é grande o suficiente para ir com Raul, abandonando sua irmã gêmea Lila. Cheio da energia nervosa da juventude inquieta de Havana, mostra um retrato convincente da vida moderna na capital cubana.
PREMIADO NO FESTIVAL DE BERLIM EM 2012 E PRÊMIOS DE MELHOR DIREÇÃO, ATOR E CINEMATOGRAFIA NO TRIBECA FILM FESTIVAL.

A MULHER QUE ESCOVOU SUAS LÁGRIMAS
THE WOMAN WHO BRUSHED OF HER TEARS - MACEDONIA/BELGICA/ALEMANHA/ESLOVÊNIA, 2012, 103 min
Direção: Teona Miteveska
Com: Victoria Abril, Labina Mitevska, Jean Marie Galey
Victoria Abril e Labina Miteveska vivem duas mulheres que habitam cantos muito diferentes da Europa e cujas histórias convergem. Dirigido pela irmã de Labina, Teona Miteveska, compara e contrasta os estilos de vida de uma parisiense amargurada por um acontecimento terrível e uma oprimida mas naturalmente corajosa moça que estimula a modernidade em Juruci, uma comunidade rural da Macedônia. As duas vivem no mesmo continente, separadas por uma viagem de apenas duas horas de avião, mas parecem viver apartadas por centenas de anos.

HABIBI
EMIRADOS ÁRABES/PALESTINA/HOLANDA/USA, 2011, 78 min
Direção : Susan Youssef
Com: Kais Nashif, Sami Said, Yosef Abu Wardeh, Najwa Mubarki, Maisa Abd Elhadi, Firas Nour
Primeira ficção filmada em Gaza em 15 anos. Uma história de amor proibido. Dois estudantes na Cisjordânia são forçados a voltar para suas casas, em Gaza, onde o amor desafia a tradição. Dentro dos limites e regras sociais, Layla se torna inacessível para Qays, que começa a grafitar poesia por toda a cidade. O filme remonta ao romance Majnun Layla, do século 7 Saudita e incorpora a lenda do homem que ficou louco de amor. Fornece uma descrição real da sociedade palestina, com foco num caso de amor e numa tradição poética, enquanto situa a história na realidade da resistência palestina. Segundo afirma a diretora, no âmago da sociedade árabe, há um desejo de amor e não de violência.
PRÊMIO DE MELHOR FILME, MELHOR ATRIZ E MELHOR EDIÇÃO NO FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA DE DUBAI E O CÂMERA NOVO, DO FESTIVAL CINEMA NOVO DE BRUGGE.

O PLANETA SOLITÁRIO
THE LONELIEST PLANET - USA/ALEMANHA, 2011, 113 min
Direção: Julia Loktev
Com: Gael Garcia Bernal, Hani Furstenberg, Bidzina Gujabidze
Vagamente inspirado na história de Ernest Hemingway, de 1936, intitulada A curta vida feliz de Francis Macomber, ela mesma inspirada num incidente real, ocorrido antes da Segunda Guerra e filmada com Gregory Peck, em 1947. Mostra um jovem casal que decide viajar por regiões remotas da Geórgia, alguns meses antes de se casar. Para guiá-los, Alex (Garcia Bernal) e Nica (Hani Furstenberg) contratam Dato (Bidzina Gujabidze). Passam por paisagens deslumbrantes e vastas extensões de terra quase desprovidas de animais ou pessoas. Até que em determinado momento, o revela sua covardia essencial numa situação de crise e nada mais será como antes.
GRANDE PRÊMIO DO JURI DO AFI FEST, DE LOS ANGELES, GOLDEN TULIP DO FESTIVAL DE ISTAMBUL E O GOLDEN LADY DO LAS PALMAS DE GRAN CANARIA INTERNATIONAL FILM FESTIVAL.


BEL AMI - O SEDUTOR
BEL AMI - FRANÇA/CALIFORNIA, 2012, 102 min
Direção: Declan Donnelan e Nick Ormerod
Com Robert Pattinson, Uma Thurman, Kristin Scott Thomas, Christina Ricci
Bel Ami é um filme de 2012, estrelado por Robert Pattinson e Uma Thurman, com roteiro baseado em livro homônimo, escrito por Guy de Maupassant em 1885. Ambientado na Paris do século 19, a história gira em torno da determinação de um jovem homem, disposto a subir as escalas sociais, usando métodos pouco ortodoxos: através de enigmáticos quartos de algumas esposas muito influentes. Depois de passar muitos anos servindo na guerra da Argélia, Georges Duroy (Robert Pattinson) tem dificuldades de se adaptar financeiramente à 'Cidade das Luzes'. Um breve encontro com o ex-companheiro Charles Forestier (Philip Glenister) se mostra frutífero e Duroy recebe a oferta de um emprego como jornalista num jornal local. Com a ajuda da esposa de Forestier, Madeleine (Uma Thurman), que atua como sua ghost whriter, ele inicia sua ascensão de mentiras e enganos. E tem início um jogo de ligações perigosas.

LA PLAYA D.C.
COLÔMBIA/BRASIL, 2012, 90 min
Direção: Juan Andrés Arango
Com: Luis Carlos Guevara, Andrés Murillo, James Solis
Tomas, um adolescente afro-colombiano, sai de sua aldeia, no litoral, para fugir da guerra. Em Bogotá, ele enfrenta as dificuldades de crescer em uma sociedade excludente e racista. Quando Jairo, seu irmão mais novo e melhor amigo, desaparece, Tomas é forçado a deixar sua casa para procurá-lo. Com a ajuda de seu irmão mais velho, Tomas mergulha nas ruas da cidade. Sua busca o obriga a enfrentar seu passado e a  encontrar sua própria identidade. Através desta jornada, Tomas revela uma perspectiva única de uma cidade vibrante e instável que, como Tomas, está no limiar entre o que já foi um dia e o que poderia ser.
SELECIONADO PARA A MOSTRA "UM CERTO OLHAR" DO FESTIVAL DE CANNES

AUSÊNCIA
WITHOUT - USA, 2012, 87 min
Direção: Mark Jackson
Com: Joslyn Jensen, Ron Carrier
Numa remota e arborizada ilha do Pacífico, uma jovem mulher tornar-se cuidadora de um homem em estado vegetativo. Ela não tem sinal de celular, nem Internet. Há apenas um ano terminou o Ensino Médio e se viui forçada a conhecer as necessidades de homem que não pode responder. Joslyn começa a experimentar estranhas ocorrências na noite que revelam sua crescente inquietação emocional. Ao mesmo tempo em que procura encontrar consolo em companhia desta homem, sente medo e desconfiança com relação a ele. Quando a monotonia de seu cotidiano começa a se confirmar, os limites entram em colapso e Joslyn luta com sexualidade, culpa e perda.
VENCEDOR DO FILM INDEPENDENT SPIRIT AWARDS 2012, PRÊMIO DE MELHOR DIRETOR NO FESTIVAL THESSALONIKI E MELHOR ATRIZ EM MAR DEL PLATA.

OS ESQUECIDOS
REPORTED MISSING -  -  ALEMANHA, 2012, 86 min
Direção: Jan Speckenbach
Com: André M. Hennicke, Luzie Ahrens, Sylvana Krappatsch, Jenny Schily
Martha, uma adolescente de 14 anos, desaparece de um dia para o outro. Seu pai, Lothar, não tem estado em contato com ela ou com sua ex-mulher há vários anos. Ele logo percebe que outros jovens também estão desaparecendo da cidade inexplicavelmente. Lothar segue sua trilha por todo o país, mas nada o faz avançar, até que ele conhece Lou, um adolescente de 12 anos de idade. Juntos, eles empreendem uma jornada que inclui grupos de milícias e a presença policial reforçada. Lentamente, Lothar começa a perceber que o mundo como ele conhecia mudou.
GRANDE PRÊMIO NEW TALENT COPENHAGEN INTERNATIONAL FILM FESTIVAL.

AVALON
SUÉCIA, 2012, 76 min
Direção: Axel Petersén
Com: Johannes Brost, Peter Carlberg, Léonore Ekstrand
Os anos 80 não acabaram para Janne. Na verdade, ele acaba de se livrar de uma tornozeleira judicial, mas agora decide, em parceria com Klas, abrir uma nova casa noturna no subúrbio da Suécia, chamado Avalon (inspirado no hit Roxy Music, que faz parte da trilha sonora). Klas passou por algumas fontes obscuras de financiamento, mas tudo está indo bem - é semana de tênis em Bastad e os clientes estão se alinhando. Em seguida, Janne e sua irmã igualmente irresponsável, Jackie saem para beber e dirigem, derrubando alguns andaimes e matando um imigrante lituano que está trabalhando no telhado. Na maior parte de sua primeira metade, "Avalon" é um filme Dogma 95: luz natural, sem intrusões melodramáticas no enredo, e sem música. Isso muda eventualmente, mas a atmosfera criada até o ponto de impacto é tão livre como a alma de Janne: quando ele cava para achar o jovem morto debaixo dos destroços, não tem nenhum pensamento de chamar a polícia - ou a família da vítima, ou sua namorada, que aparece procurando por ele.
VENCEDOR DO FIPRESCI PRIZE FOR BEST FIRST FEATURE IN TORONTO.

O ANO DO TIGRE
EL ANO DEL TIGRE -  CHILE, 2011, 82 min
Direção: Sebástian Lelio
Com: Luis Dubó, Sergio Hernández
O devastador terremoto do Chile, de 27 de fevereiro de 2011, inadvertidamente converte Manuel de prisioneiro em fugitivo. Ele inutilmente procura por seus entes queridos, mas acaba encontrando um tigre enjaulado. Depois de libertar a fera, Manuel percebe que nenhum deles tem muita chance de sobrevivência no cenário atual. O filme de Sebastián Lelio é uma viagem através dos resultados catastróficos deste evento sísmico na história de seu país.
PRÊMIO DO JURI DO FESTIVAL DE LOCARNO 2011

TEY
FRANÇA/SENEGAL, 2012, 86 min
Direção: Alain Gomis
Com: Saül Williams, Aïsa Maïga, Djolof M'bengue, Anisia Uzeyman
Hoje é o último dia de sua vida. Ele sabe que isso é verdade mesmo que ele seja forte e saudável. No entanto Satché (interpretado por ator e músico norte-americano Saul Williams) aceita sua morte iminente. Andando pelas ruas de sua cidade natal, no Senegal, ele passeia pelos lugares de seu passado como se ele estivesse olhando para eles pela última vez: a casa de seus pais, seu primeiro amor, os amigos de sua juventude, sua esposa e filhos. Vez por outra ouve a mesma reprovação: por que ele não ficou na América, onde ele teria um futuro? Satché encontra seus últimos momentos cheios de medo, mas também com um sentimento de alegria e paz.

KAUWBOY
HOLANDA, 2012, 81 min
Direção: Boudewijn Koole
Com: Rick Lens, Loek Peters, Susan Radder, Ricky Koole
Jojo, um menino de 10 anos de idade, tem uma família difícil: o pai sofre violentas mudanças de humor e a mãe está sempre ausente. Até que Jojo encontra uma gralha bebê abandonada e a leva para casa escondida. Seu pai não pode saber de nada. Jojo quer apresentar sua nova amiguinha à família, no aniversário da mãe. Mas o pai não está muito para festas. Então, a menina vai ter que tomar muito cuidado. Através de sua amizade especial com o pássaro e a capacidade de adaptação que só as crianças possuem, Jojo encontra uma maneira de quebrar o muro que circunda o coração do pai.
MELHOR FILME DA MOSTRA GENERATION, DE BERLIM, 2012; PRIX DE LA VILLE DE SAINT-QUENTIN NO CINEJEUNE, APRIL 2012, E 'UNICEF AWARD' NO BAFICI, BUENOS AIRES INTERNATIONAL FILM FESTIVAL, APRIL 2012.

HOMENAGEM À PRINCESA DA NOUVELLE VAGUE

A mostra RETROSPECTIVA ANNA KARINA irá exibir seis títulos dentre os mais importantes da carreira da estrela. A dinamarquesa Hanne Karin Bayer virou Anna Karina por sugestão da célebre estilista francesa Coco Chanel. Na época, estava recém-chegada de Copenhagen, de onde fugira ainda adolescente, pedindo carona na estrada, por conta de conflitos com os pais. Ao conhecer Coco, quando era modelo da revista "Elle", ela lhe previu um grande futuro. O prognóstico estava certo, mas não foi como modelo que Anna Karina alcançaria a fama.

Além de se tornar a grande musa de Jean-Luc Godard, foi - apesar de Jeanne Moreau, Jean Seberg e Brigitte Bardot - a atriz mais luminosa e emblemática do cinema francês dos anos 60.

Foi vendo Anna Karina num comercial de sabonete que Godard se interessou por ela. Ficaram casados durante sete anos, fizeram sete longas-metragens e o único episódio realmente memorável de "A Mais Velha Profissão do Mundo". Uma parceria fecunda que rendeu obras-primas como "Viver a Vida", "Pierrot, le Fou" e "Alphaville", além dos adoráveis "Uma Mulher é Uma Mulher", "O Pequeno Soldado", "Band à Part" e "Made in USA". Foi, sem dúvida, a melhor e mais inspirada fase da obra godardiana. Poucas dobradinhas atriz-diretor deram origem a tantos e grandes filmes.

Sim, também foi a melhor fase da extensa filmografia de Anna Karina, que, por sinal, trabalhou com outros grandes diretores - como Luchino Visconti ("O Estrangeiro"), Jacques Rivette ("A Religiosa"), George Cukor ("Justine"), Valério Zurlini ("Mulheres no Front"), Rainer Werner Fassbinder ("Roleta Chinesa"). E, claro, Serge Gainsbourg, que a dirigiu no musical "Anna" e a elegeu como uma das intérpretes favoritas de suas lânguidas canções, ao lado da mulher Jane Birkin e Brigitte Bardot.

Antes de atuar e de ser modelo, Anna Karina já gostava de cantar. Seus dotes vocais foram bem aproveitados por Godard em "Uma Mulher é Uma Mulher", uma homenagem aos musicais hollywoodianos, e no cultuado "Pierrot, le Fou". Na pouco vista comédia musical "Anna", em papel feito sob medida para a cantriz, interpretou repertório de Gainsbourg. A partir deste milênio, a música passou a ocupar espaço em sua vida profissional. Foi a partir do ano 2000 que lançou seus três únicos álbuns solo: "Une Histoire d´Amour", "Chansons de Films" e "Vilain Petit Canard".

Para o crítico espanhol Albert Galera, Anna Karina é a mais perfeita tradução da Nouvelle Vague, o movimento francês liderado por Godard, François Truffaut, Claude Chabrol e Eric Rohmer. "Além da importante marca que deixou e da vigência permanente, a Nouvelle Vague foi o movimento cinematográfico mais apaixonado da história e Anna Karina e, por méritos próprios, a atriz mais apaixonada e apaixonante daquela maravilhosa época e a sua melhor representação possível. Sua espontaneidade e modernidade, além da falta de preconceitos, a transformaram na atriz perfeita para os propósitos desse cinema".

O trecho acima foi retirado de uma entrevista de Galera sobre seu livro sobre a atriz, publicado em 2011, não por acaso intitulado "Anna Karina - a Princesa da Nouvelle Vague".

A RETROSPECTIVA ANNA KARINA  exibirá os filmes: "Viver a Vida" (Jean-Luc Godard), "O Demônio das Onze Horas" (Jean-Luc Godard), "Band à Part" (Jean-Luc Godard), "Anna" (Pierre Koralnik), "Alphaville" (Jean-Luc Godard) , "A Religiosa" (Jacques Rivette) e o filme inédito VIVRE EMSEMBLE.




CONTATOS:
Anna Karina de Carvalho
Diretora - Director
BIFF - BRASILIA INTERNATIONAL FILM FESTIVAL
Brasilia - 13-22 July 2012
www.biffestival.com
+ 55 61 33271588


Assessoria de imprensa (para uso exclusivo dos jornalistas):
Objeto Sim Projetos Culturais

Tels: (61) 3443. 8891 e (61) 3242. 9805 (fone/fax)
Carmem Moretzsohn: 8142. 0111 - Gioconda Caputo: 8142. 0112
Maria Alice Monteiro: 9831. 5090 - Roberta Timponi: 9211. 1414
objetosim@terra.com.br e objetosim@gmail.com
www.objetosim.com.br